BNP PARIBAS ASSET MANAGEMENT - Legal MIFID 1440x300

Exercício do direito de voto

A governação empresarial constitui um quadro que visa assegurar a boa gestão das empresas e a devida representação dos interesses dos accionistas. Cremos que todas as empresas em que investimos deveriam implementar elevados padrões de governação, nomeadamente:

  • a actuação na perspectiva dos interesses de longo prazo dos accionistas;
  • a protecção dos direitos dos accionistas;
  • a garantia de uma estrutura independente e eficaz do conselho de administração;
  • o alinhamento dos esquemas de incentivo com os interesses de longo prazo dos accionistas;
  • a divulgação de informações precisas, adequadas e atempadas;
  • a garantia de um bom desempenho ambiental e social.

A promoção de uma boa governação empresarial e a votação em assembleias-gerais constitui um aspecto fundamental no diálogo permanente com as empresas em que investimos em nome dos nossos clientes e faz parte integrante do nosso processo de investimento.

Estamos empenhados em garantir um exercício consistente1 dos direitos de voto associados às acções detidas em Organismos de Investimento de Capital Variável (OICVMs) assim como por contas individuais no âmbito das quais nos foi passada procuração de voto. Os direitos de voto são exercidos em conformidade com a nossa Política de Votação, a qual define princípios gerais e directrizes operacionais e explica o que esperamos das empresas cotadas e como cumprimos as nossas responsabilidades enquanto accionistas. Esta política inclui os nossos princípios fundamentais de governação e de votação, descreve o nosso processo de votação por procuração e apresenta directrizes, destacando, relativamente a diferentes categorias de resoluções, as melhores práticas e os aspectos que possam justificar um “voto contra” ou uma “abstenção”.

Além disso, publicamos anualmente um Relatório de Política de Votação, onde é feita uma exposição global das nossas actividades de voto por procuração e onde são apresentados pormenores sobre as assembleias-gerais em que tomámos parte e sobre as resoluções em que votámos.

1 Sujeito aos condicionalismos técnicos e legais.